Fuçar

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Sobre a ausência dos polegares




Talvez arrebentar a cabeça contra a parede fosse a melhor solução. Já que a ele só restara a parede da construção abandonada.

Tinha 4 dedos em cada mão, os que faltavam eram os polegares.

Deus não poderia ter escolhido forma melhor de lhe foder.

Inimaginável viver sem os polegares, já que estes, como todos sabem, têm a função de pinça.

Talvez o ser humano pudesse viver sem qualquer outra parte do corpo, até sem um cérebro, mas os polegares?! Era castigo demais para uma pessoa só, e em uma vida só!

Seu maior sonho, desde os 12 anos era que a ciência pudesse inventar polegares robóticos, para que ele pudesse novamente retomar sua vida, como homem que achava que era.
Mas o ano era 2.079, já haviam descoberto a cura para a maioria das doenças identificadas, resolvido os problemas de aquecimento global, e todas as pessoas eram iguais entre si (menos as que não possuíam polegares). E por incrível que pareça a busca da ciência pela recuperação de polegares estava para aquela geração, assim como a cura da AIDS para os anos 90.

A depressão já era tanta, que o tal passava os dias afogando as magoas “polegáricas” em copos de Coca-beer (versão alcoólica da coca). Já perdera, mulher, filhos, cachorro robô. Tudo que lhe importava. Até seu fusca, ele havia batido.

Decidira então por um fim a todo aquele sofrimento. Mas como? Eis a questão.

Arrebentar a cabeça na parede? Talvez. Mas a parede poderia ceder e iria doer pra caralho.

Tiro na cabeça? Ótima idéia!

Você não tem polegar idiota, isso pode atrapalhar.

Mas espere...

É, é isso.

Decidido! Pega a faca lá!

Isso. Põem a mão na mesa. Agora corta.

Não, todos não. Um por um. É mais seguro.

________________________________________________

George não conseguiu o polegar, ao invés disso amputou todos os outros dedos. Aposentou-se por invalidez e recebeu uma bolada de indenização das industrias Coca-cola, alegou estar sobre efeito da bebida quando cortou fora todos seus dedos

George vive feliz com a família em algum lugar ao sul.

George restaurou a velha parede...

... e comprou um fusca 67.

6 comentários:

TOMEH! disse...

Conto dramático esse hein? Muito bom... a condição humana e a solução que cada um arruma pra ser "feliz" é tema que coça a alma da gente mesmo. Dá uma olhada no meu novo/velho blog, perdi a senha e mudei o link pra esse:

http://noiteensolarada.blogspot.com

beth disse...

Wow. I guess the thumbs were lost later in life? I used to babysit for a little boy whose thumbs were attached to his first finger joints and removed before he was 6 months old. He never knew the difference and his first fingers became thumbs also. :)

J. Victor disse...

Belos textos.

M. [doc] B. disse...

Tive uma leve pena do George!
E quer saber a verdade? Vou dar mais valor aos meus polegares. Eles são importantes pra mim! Muito! Muitoooo...
AAhhhh, meus lindos polegares! xD

P.S: Amei a coca-beer! ehuehueheuhe

haghapotyh disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hagal disse...

Guri, Que texto foda!!!

Conseguiu me fazer rir...


fiquei aflito de pensar nessa idéia malignamente cruel de não ter polegares... Bah! Que sofrimento o do pobre Geroge.


Continue escrevendo!

Inspirado Seja!!

Bênçãos Fraternas!


Tio Pedro

agora,
*Hagal*